Imprimir

IBRACON comemora 40 anos de serviços ao fortalecimento do concreto no Brasil

Quarenta anos dedicados ao fortalecimento da cadeia produtiva do concreto no Brasil. Com este lema o Instituto Brasileiro do Concreto — IBRACON realizou a 54ª edição do Congresso Brasileiro do Concreto, de 08 a 11 de outubro, no Centro Cultural e de Eventos Ruth Cardoso, em Maceió, Alagoas. 

A época de fundação do Instituto Brasileiro do Concreto – IBRACON guarda semelhanças com o Brasil atual. O país vivia o ‘milagre econômico’, com a construção civil edificando a infraestrutura necessária para o desenvolvimento econômico e social. Como hoje, o país carecia de mão de obra qualificada, de engenheiros bem formados e de eventos técnicos que congregassem a classe para discussões sobre questões técnicas e práticas dos canteiros de obras.
Em São Paulo, em função de um convênio entre o Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT e a Fundação Estadual de Saneamento Básico (atual SABESP), os tecnologistas do IPT polemizavam sobre a permeabilidade ou não do concreto usado em reservatórios de água e estações de tratamento. Outra questão que suscitava debates e controvérsias era se o concreto usado nas obras do Metrô de São Paulo era ou não durável, resistindo, ao longo do tempo, ao ataque de agentes agressivos contidos nas águas subterrâneas em contato com suas estruturas.

Face às polêmicas, alguns funcionários do Departamento de Tecnologia do Concreto do IPT decidiram organizar um colóquio em suas dependências, o que contou com o apoio do diretor de engenheira civil à época, o Eng. Antonio Dias Ferraz Nápoles Neto.

Público prestigia 54º Congresso Brasileirto do Concreto em sua solenidade de abertura.

Assim nasceu o que se tornaria mais tarde o Congresso Brasileiro do Concreto. Reunindo 200 profissionais, esse primeiro colóquio contou com a participação dos maiores tecnologistas da época, o que demonstrava sua importância e mérito, entre os quais: Francisco de Assis Basílio, Eládio Petrucci, Gilberto Molinari e Luiz Alfredo Falcão Bauer, reconhecidos atualmente pelo IBRACON em seu profissionalismo e contribuição para a engenharia civil brasileira pela denominação dos Prêmios de Destaques do Ano, conferidos anualmente aos melhores profissionais brasileiros reconhecidos por seus pares.

Prof. Túlio Bittencourt, presidente do IBRACON, oferece boas-vindas aos congressistas da 54ª edição do Congresso Brasileirto do Concreto.

O sucesso do colóquio foi tanto que seis meses depois foi organizado um segundo colóquio, que se expandiu para fora das dependências do IPT, envolvendo a Associação Brasileira de Cimento Portland – ABCP e a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Neste colóquio os engenheiros reunidos dedicaram-se ao tema da durabilidade do concreto.

Sentindo ter chegado o momento para a instituição de uma entidade técnica dedicada à pesquisa e divulgação da tecnologia do concreto e de seus sistemas construtivos, nos moldes do “American Concrete Institute” – ACI, os profissionais reunidos no segundo colóquio decidiram, em Assembleia Geral, pela fundação do Instituto Brasileiro do Concreto, a 23 de junho de 1972.
De lá para cá, o IBRACON expandiu suas atividades e o Congresso Brasileiro do Concreto se diversificou.

De uma reunião semestral entre alguns pesquisadores brasileiros, o evento atingiu o porte de um grande congresso nacional de engenharia civil, realizado anualmente, com o reconhecimento da comunidade técnica- científica brasileira e estrangeira de estar entre os maiores fóruns de difusão e debates sobre a tecnologia do concreto e seus sistemas construtivos.

Componentes da mesa de Solenidade de Abertura ouvem a execução do Hino Nacional por artista regional.

Com as edições do Congresso Brasileiro do Concreto, carro-chefe do IBRACON, o Instituto tem cumprido sua missão de criar, divulgar e defender o correto conhecimento sobre materiais, projeto, construção, uso e manutenção de obras de concreto, desenvolvendo seu mercado, articulando seus agentes e agindo em benefício dos consumidores e da sociedade em harmonia com o meio ambiente.

Fundadores do Instituto Brasileiro do Concreto em momento de reconhecimento por seus serviços prestados à engenharia brasileira e ao país.

“Decorridos 40 anos de existência do IBRACON, é auspicioso constatar a excelência da sua contribuição à Engenharia Nacional, através das Reuniões Técnicas, Publicações, Comitês Técnicos, Práticas Recomendadas, Concursos Estudantis e Certificação de Mão de Obra”, conclamou o fundador e ex-presidente do IBRACON, Prof. Simão Priszkulnik, aos participantes do 54º Congresso Brasileiro do Concreto, em mensagem enviada eletronicamente, presentes em sua solenidade de abertura.

Prof. Geert De Schutter em sua palestra magna sobre CAA.

Nesta, além de recordar nome a nome os fundadores do IBRACON, o Instituto prestou uma homenagem aos fundadores presentes, entregando-lhes uma placa comemorativa e os saudando com uma salva de palmas. Por ocasião da cerimônia, foram premiados ainda os profissionais de destaque do ano e as melhores teses de doutorado sobre o concreto. Por fim, os presentes – 1368 pessoas - foram brindados com a palestra do professor da Universidade de Ghent, na Bélgica, Geert De Schutter, sobre o estado da arte do concreto autoadensável após 20 anos de pesquisa e prática.


IBRACON faz 30 anos

A fundação do Instituto Brasileiro do Concreto

Discutir questões práticas ligadas às obras de concreto, problemas do dia-a-dia dos engenheiros civis brasileiros, essa foi a motivação de fundação do Instituto Brasileiro do Concreto. "Havia uma demanda por um evento que congregasse profissionais do ramo do concreto, para discutirem e trocarem os conhecimentos advindos dos canteiros de obras", explica a Engenheira Yasuko Tezuka, funcionária do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo a época e que se empenhou na fundação do IBRACON.

Estávamos em 1970, o Brasil vivia o denominado 'milagre econômico' e a construção civil estava em acentuada ascensão, com a construção de obras arquitetônicas por todo o país: a Ponte Rio-Niterói; as Usinas de Tucuruí e Itaipu; a Usina Nuclear de Angra dos Reis. “Em cálculo, em projeto estrutural de concreto, há tempos tínhamos pessoas com projeção internacional. Entre outros, devem ser lembrados: os professores Telêmaco van Langendonck, Fernando Luiz Lobo Carneiro e Augusto Carlos de Vasconcelos”, relembra o Engenheiro Simão Priszkulnik, idealizador do primeiro colóquio sobre a permeabilidade do concreto, donde surgiria o IBRACON. Nesta época, o Departamento de Tecnologia do Concreto do IPT mantinha um convênio com o FESB (Fomento Estadual de Saneamento Básico, precursor do que é hoje a SABESP), para o controle tecnológico das obras de concreto. Esse convênio engendrou uma polêmica entre os profissionais do IPT sobre a permeabilidade do concreto nos reservatórios de água. “Na época, a ênfase quanto ao projeto estrutural era dada apenas à resistência do concreto”, esclarece Priszkulnik. Por outro lado, havia também o problema da agressão pelas águas subterrâneas do Metrô de São Paulo. 'Não havia uma bibliografia específica que resolvesse as questões de permeabilidade e durabilidade do concreto. As especificações eram contraditórias', comenta Yasuko Tezuka.

Simão Priszkulnik, um dos idealizadores do Instituto Brasileiro do Concreto.

Desejosos de resolver o problema sobre a permeabilidade do concreto à água, os engenheiros Simão Priszkulnik, Yasuko Tezuka, Sérgio Simondi, entre outros funcionários do IPT, decidiram organizar um colóquio que discutisse o assunto. A idéia era convidar tecnologistas e profissionais de empresas ligados ao concreto, para exporem e debaterem sobre o tema. A iniciativa do grupo contou com o apoio do diretor de Engenharia Civil do IPT, o Dr. Antonio Dias Ferraz Nápoles Neto, que disponibilizou o espaço para o colóquio e permitiu o uso da infra-estrutura do IPT. “Não tínhamos xerox, de modo que datilografávamos as cartas,convidando os profissionais para participarem do evento. Eu e o Simão entregávamos pessoalmente os convites", relembra Yasuko.

Apesar das dificuldades, a Comissão Organizadora obteve o êxito da presença dos expoentes da tecnologia do concreto à época os Engenheiros Francisco de Assis Basílio, Eládio Petrucci, Gilberto Molinari e Luiz Alfredo Falcão Bauer -, como expositores. E, de quebra, o patrocínio da empresa Otto Baumgart com um coquetel. O auditório com capacidade para duzentas pessoas ficou lotado.
 As participações foram intensas. As discussões foram gravadas e, posteriormente, transcritas. “Chegamos à conclusão de que o concreto serviria, por si só, como elemento impermeabilizante, mas sabíamos que esse consenso entre os funcionários do IPT não era compartilhado por todos os profissionais ligados ao concreto”, pontua Sérgio Simondi.

"O sucesso foi tão grande que preparamos questionários solicitando opiniões e sugestões de temas para o segundo evento. Predominou o tema durabilidade”, esclarece a química Maria Alba Cincotto, que também participou da fundação do IBRACON. Desta vez, a Comissão Organizadora se estendeu para fora do IPT. “Ela incluiu a ABCP e seu superintendente, o Eng° Francisco de Assis Basílio”, afirma Priszkulnik. Participaram também na organização do segundo colóquio, o professor Eládio Petrucci, da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, e o engenheiro aposentado do IPT, Gilberto Molinari.

Participação maciça de engenheiros e estudantes no 43º Congresso Brasileiro do Concreto, em Foz do Iguaçu

O segundo colóquio realizou-se no período de 19 a 25 de junho de 1972, seis meses após o primeiro. No seu transcurso, no dia 23 de junho, os participantes realizaram uma Assembléia Geral no Auditório da Divisão de Engenharia Mecânica do IPT, onde, por unanimidade, decidiu-se pela fundação de um instituto dedicado ao concreto, o Instituto Brasileiro do Concreto, que naquele momento recebeu a sigla de IBCON. Compuseram a mesa da Assembléia de Fundação, os Engenheiros Francisco de Assis Basílio, como presidente, Antonio Dias Ferraz Nápoles Neto e José Araújo Ferreira.

Logo após a cerimônia de Fundação, o presidente da mesa pôs em discussão os Estatutos do Instituto, o valor das contribuições a serem pagas pelos sócios titulares e coletivos e informou que o IPT havia colocado à disposição do instituto uma sede provisória, o que foi recebido pela Assembléia com uma salva de palmas. “O fato de que, até alguns anos atrás, as estruturas serem fundamentalmente feitas de concreto mostra a importância e a pertinência de um instituto para discutir a tecnologia do concreto”, conclui Sérgio Simondi. Além disso, a Assembléia de Fundação elegeu o Engenheiro Gilberto Molinari, para presidente, o Engenheiro Sérgio Simondi, para secretário e o Engenheiro Simão Priszkulnik, para tesoureiro da Diretoria Provisória. No ato de fundação consolidou-se a idéia, já aventada no primeiro colóquio, de congregar na entidade não apenas os engenheiros tecnologistas de concreto, mas também os calculistas, construtores e professores da área de materiais de construção.

O IBRACON nascia para viabilizar a realização permanente de dois colóquios sobre o concreto por ano. A diretoria ficaria responsável por escolher os temas relacionados ao dia-a-dia das construções de concreto no país e convidar os profissionais capazes de falar sobre elas. Mas, não apenas para isso. Os Estatutos previam a formação de Comitês Técnicos, para estudar ramos específicos do concreto e elaborar textos que pudessem servir de referência para a elaboração de Normas Técnicas na execução de obras de concreto. “A idéia foi criar um instituto parecido com o American Concrete Institute (ACI): uma entidade que discutisse e propusesse soluções para o cálculo, a normalização e a execução de obras de concreto”, pondera Simondi. Previam-se também as Regionais do Instituto para lhe conferir caráter de entidade nacional.